segunda-feira, 14 de abril de 2008

Mas nem tudo é mau…

Voltando ainda a Felgueiras (ver "post's" anteriores), há a registar, contudo, alguns exemplos de particulares que têm tido algum cuidado na utilização de materiais tradicionais na construção e recuperação de casas antigas. Num dos casos, logo à entrada da aldeia, foi feito um muro, usando a pedra de xisto local, seguindo a tecnologia tradicional:


Felgueiras - construção de um muro tradicional para vedação de propriedade (Julho,2006)


Numa casa antiga, mesmo defronte do lagar da cera, o velho telhado deu lugar a um novo, mas de telha idêntica à antiga, foi mantido o típico “chupão” de chapa de ferro e substituíram-se portas e janelas (que deveriam estar degradadas) por outras em madeira, pintadas com as cores tradicionais. Só foi pena o cimento na cornija, esperando que o tempo se encarregue de o disfarçar, mas a nota é francamente positiva:



Felgueiras - casa em frente do lagar comunitário da cera, recentemente recuperada.


Nota: Solicitamos aos nossos associados que nos enviem “posts” de outros casos que considerem exemplares, na recuperação do nosso património vernacular. É o melhor estímulo para quem faz bem, ou, ao menos, se esforça nesse sentido. Quanto aos casos lamentáveis, talvez seja melhor esquecer…

3 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns aos proprietários que se esforçam em preservar o seu património de acordo com as técnicas tradicionais.
Acho no entanto que deviam ter qualquer tipo de apoio das câmaras ou juntas de freguesia, porque todos sabemos que esses materiais normalmente ficam mais caros e duram menos que os que se usam nas "maisons" (alumínios, tijolos, etc).

José Leonardo Sequeira disse...

Moncorvo não é só uma zona mineira de Ferro, mas é sobretudo uma zona mineira de "Cultura e Saber " de um povo.
É uma jazida inesgotável de gente trabalhadora, acolhedora e principalmente muito honesta e simples.

Nelson disse...

Grande Sequeira! Caríssimo consócio e prezado Amigo do PARM e de Moncorvo! O nosso muito obrigado pelo comentário, esperando-vos cá pelo Verão, como manda a Tradição, porque da mesma maneira que não há Primavera sem andorinhas, não há festa de Moncorvo sem Sequeira e Beatriz.
Para quem não sabe, o nosso prezado consócio Dr. José Sequeira deu aulas na Escola Secundária de Torre de Moncorvo há cerca de 30 anos e enamorou-se pela nossa terra à qual vem sempre que pode. Talvez seja do campo magnético derivado do ferro da serra do Roborêdo, mas estamos em crer que será mais devido às fortes amizades que aqui forjou, nos seus e nossos bons tempos de juventude. Aqui vai um grande abraço, extensivo à Beatriz, Bárbara e Pedro.
Nelsn