sábado, 7 de Junho de 2014

Festa de Santa Leocádia e Rota do Ferro em BTT no dia 10 de Junho

(clicar sobre a imagem para AMPLIAR)

Estão a decorrer as festividades em honra de Santa Leocádia e S. Bento, em redor da respectiva capela e miradouro, sobre a vila de Moncorvo, actividades promovidas pela Junta de Freguesia de Torre de Moncorvo, com apoio do município. Mais uma vez o PARM associa-se ao programa, através da realização da ROTA DO FERRO em BTT (Bicicletas de Todo-o-Terreno), no próximo dia 10 de Junho, com partida do alto da Carvalhosa (antigas minas da Ferrominas), pelas 9:00h. 

Nota: Algumas bicicletas poderão ser transportados na carrinha de apoio, com saída às 8:15h do Largo do Museu do Ferro, mediante inscrição prévia através do tel. 279 252 724 até às 18:00h do dia 9/06 (nº. de vagas limitado).

sexta-feira, 23 de Maio de 2014

DRCN promove concerto na igreja matriz de Moncorvo

Chamamos a atenção para esta iniciativa da DRCN, que terá lugar na igreja matriz de Torre de Moncorvo no próximo dia 31 de Maio, às 21:30h. O concerto insere-se no programa Jovens Músicos no Património a Norte, e estará a cargo da Orquestra de Câmara da Maia.
Saudamos naturalmente este evento cultural no excepcional monumento que é a nossa igreja, com excelentes condições acústicas para o efeito, e pelo repertório escolhido (música barroca), em sintonia com a decoração retabular do interior do espaço.
É de salientar que, para além da nossa igreja, apenas mais dois monumentos foram contemplados nesta digressão (mosteiro de Leça, em Matosinhos, e igreja de Caminha).
Aqui fica a informação e o convite que nos foi dirigido:

(Interior da igreja matriz de Moncorvo - foto DRCN)

CONVITE
O ciclo Música em Tempo Pascal é uma iniciativa da Direção Regional de Cultura do Norte, inscrevendo-se no eixo de programação Jovens Músicos no Património a Norte.
A Orquestra de Câmara de Maia, à qual se associa o Coro de Câmara Invictus Ensemble, interpretam a Missa Sancti Nicolai, Joseph HAYDN( 1732-1809) e o Gloria, RV 589, Antonio VIVALDI (1678-1741) nos seguintes monumentos nacionais, classificados em 1910 e afetos à DRCN:
Igreja do Mosteiro de Leça do Balio | Matosinhos-Porto | 23 de maio pelas 21:45;
Igreja Matriz de Torre de Moncorvo | Torre de Moncorvo – Bragança | 31 de maio pelas 21:30;
Igreja Matriz de Caminha | Caminha – Viana do Castelo | 6 de junho pelas 21:45.

sexta-feira, 25 de Abril de 2014

É no próximo Domingo, 27 de Abril, à tarde!! 

Saída: do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, às 14:30 h

(Clicar sobre o cartaz para AMPLIAR)

Vamos reviver a Tradição! Apareça!




quarta-feira, 16 de Abril de 2014

dia 18 de Abril: Visita guiada à Exposição de Arte Sacra /Igreja da Misericórdia de Moncorvo

.
De forma a comemorar o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18 de Abril), que este ano coincide com a Sexta-feira Santa, o PARM, em colaboração com o Posto de Turismo, Município de Torre de Moncorvo e Santa Casa da Misericórdia, promove uma visita guiada à Exposição de Arte Sacra localizada na igreja e espaço adjacente desta instituição.


Mais se informa que esta Exposição foi inaugurada em Março de 2013, após a celebração de um protocolo entre o Município de Torre de Moncorvo (entidade promotora da mostra), a Santa Casa da Misericórdia de Moncorvo (que cede o espaço e algumas imagens religiosas), a Direcção Regional da Cultura do Norte (que custodia a maior parte do espólio, procedente da igreja matriz de Torre de Moncorvo), a Diocese de Bragança-Miranda e a Paróquia de N. Srª da Assunção de Torre de Moncorvo, que tutelam a componente religiosa e que estão na base histórica deste espólio.

Foi comissário desta exposição o Padre Dr. José Ribeiro, contando com a colaboração de técnicos(as) do município e da Direcção Regional da Cultura do Norte.

A abertura da exposição encontra-se a cargo do Posto de Turismo de Torre de Moncorvo, a quem os interessados se devem dirigir. Excepcionalmente será aberta no feriado de Sexta-feira Santa, a pedido do PARM, por se tratar do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, devendo os interessados estar presentes às 10:00h da manhã na igreja da Misericórdia.
Ficam desde já os nossos agradecimentos ao Município e Posto de Turismo, assim como à Santa Casa da Misericórdia.
Contamos com a sua presença!

terça-feira, 15 de Abril de 2014

Exposição de Fotografia no Museu do Ferro - Amendoeiras em Flor e Tema Livre

.
Foi inaugurada no passado Domingo, dia 13/04, a exposição de fotografias do 1º. Concurso Fotográfico da Amendoeira em Flor organizado pelo município de Torre de Moncorvo. 

No acto foram divulgados os vencedores e distribuídos os prémios do concurso nas categorias "Amendoeira em Flor" e "Tema livre", assim como várias menções honrosas, pelo Presidente da Câmara, Dr. Nuno Gonçalves, e Vereadora Engª. Piedade Menezes.

Aqui fica um registo de alguns momentos deste evento:
Chegada dos participantes.

O Presidente da Câmara e participantes apreciando os trabalhos fotográficos.

Participantes e público em geral observando a exposição. 

Momento da distribuição dos prémios.


Informamos todos os interessados que esta exposição fica patente até final do mês de Maio no Auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, no horário desta entidade: de terça-feira a domingo, das 10:00h-12:30h e das 14:00h às 18:00h.

- Foto-reportagem mais completa, aqui: https://www.facebook.com/parm.moncorvo/media_set?set=a.776207222430764.1073741830.100001244815550&type=1



É uma excelente proposta de Visita, neste período pascal - Apareça!...

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

"Pela Calçada de Ferro & Caminhos do Roboredo" - breve reportagem

.
Como anunciado, realizou-se no passado dia 12/04 a 1ª. "longa marcha" Pela Calçada de Ferro & Caminhos do Roboredo

Este périplo procurou bordejar a rede de trilhos previstos no âmbito de um projecto do Município de Torre de Moncorvo, recentemente candidatado a programa comunitário, em que o PARM foi também chamado a colaborar.
Pensamos que a Serra do Roboredo, sobretudo na parte mais sobranceira à vila de Torre de Moncorvo, tem muitas potencialidades a oferecer. 
Há anos que esta associação vem realizando actividades ao longo do troço do antigo caminho medieval (a "calçada de ferro"), desde a R. de N. Srª. da Conceição até à zona da Qtª de Mindel e Qtª. Branca (p. ex. Passeio Ornitológico e Passeio Micológico). Mas, além de alguns valores culturais e naturais, há a salientar a beleza da mata e as belas vistas que se podem apreciar do topo da serra (Miradouro da Fraga do Facho ou das Antenas).
Antes da partida, o Sr. Vice-Presidente, Victor Moreira, e os representantes do PARM deram as boas vindas aos caminheiros, tendo explicado o contexto experimental desta jornada, realizada no âmbito da Semana dos Parceiros do Roteiro de Minas e Pontos de Interesse Geológico e Mineiro (DGEG/EDM).
Ao longo do percurso foram fornecidas várias informações (complementando o folheto oferecido no início da jornada), por parte de membros do PARM, tendo-se salientado os principais aspectos naturais e culturais ao longo do mesmo. Além das diversas espécies arbóreas e arbustivas existentes (algumas de recente repovoamento florestal) encontraram-se rastos de javalis e excrementos de outras espécies selvagens, além de se poderem observar algumas aves de rapina.
Do ponto de vista meteorológico o tempo ajudou, com uma temperatura amena, num dia soalheiro. 
Apesar de poucos participantes (18 pessoas no total), os mesmos não se arrependeram.
Houve apenas alguns reparos quanto à extensão do percurso (o que tudo depende da preparação física de cada um dos participantes), mas, dado o carácter experimental da iniciativa, será de se ter em conta, em termos futuros, dois aspectos essenciais no desenho de novos percursos: 
1º - Extensão do percurso; 2º - Nível de dificuldade. 
Quanto ao 1º aspecto, dever-se-ão considerar 3 níveis: curto(4 km), médio(8 km) e longo (12 ou mais km);
No que toca à dificuldade dever-se-á ter em conta inclinação + (ir)regularidade do terreno + extensão, para se definir o nível de dificuldade (baixo, médio e alto). 
Para os interessados, informamos que dispomos de alguma bibliografia sobre esta matéria.

Aqui fica uma breve reportagem fotográfica desta caminhada:
Ponto de Partida: Capela de S. João Baptista ou N. Srª. de Fátima - boas vindas aos participantes por parte dos representantes do Município de Torre de Moncorvo, Junta de Freguesia e PARM.
 
Início da caminhada, pela R. de N. Srª de Fátima, onde passava o antigo caminho medieval de Torre de Moncorvo para Mós / Freixo de E. Cinta, Terras de Miranda e Espanha.
Vista de Torre de Moncorvo a partir do caminho.

"Casa da Floresta" - arquitectura revivalista dos anos 1930.

Capela de N. Srª. da Conceição - séc. XVII
Caminho de terra vermelha e hematite (minério de ferro).

O grupo entranha-se na floresta...

Atravessando a mancha de carvalhos, árvore de onde derivou o nome da serra (do latim "robor" = carvalho)

Engº. Afonso assinala vestígios de javali.
 
Pausa para descanso próximo da mina da Cotovia.

Entrada da velha mina da Cotovia (aberta nos anos 1930)

Continua a marcha em direcção ao topo da serra.

Caminho pela crista da serra.
 
Ao centro: memorial ao Dr. Constâncio de Carvalho (1976-1928), paladino da reflorestação da serra.
 
Descida para a vila, no sentido da Casa Florestal.
 
T-Shirt editada pela Organização para assinalar a jornada.
Informamos os interessados que ainda sobraram algumas de tamanho S e M, pelo que podem adquiri-las junto do PARM - tel. 279 252 724.

 
Txt. N.Campos; Fotos: Zé Sá, Tomás Calheiros e N.Campos

sábado, 12 de Abril de 2014

Exposição de Fotografia no Museu do Ferro - inauguração

(clicar no convite para AMPLIAR)

É amanhã! não esqueça e... compareça!

quarta-feira, 9 de Abril de 2014

Passeio Pedestre - Pela Calçada de Ferro e Caminhos do Roboredo


É já no próximo Sábado, dia 12/04 - não se esqueçam!

Para inscrição (gratuita) ou mais informações: 279 252 724



(Clicar sobre as imagens para AMPLIAR)

Percurso, com ponto de Partida (e Chegada) do lado esquerdo.

Parte deste percurso é já conhecido de alguns dos nossos associados e amigos, pois que o temos feito, nos últimos anos, em jornadas ornitológicas e micológicas, pelo menos até ao ponto conhecido por Calhoal, onde se encontram vestígios das antigas pedreiras de granito que abasteceram importantes obras da vila, tais como a do castelo (séc. XIV) e da igreja matriz (séc. XVI).

A "novidade" desta edição será a partir da bifurcação do Calhoal, subindo pela esquerda, em direcção à velha mina abandonada da Portela de Felgueiras (também conhecida por mina do "Zé Derreado", por aí ter trabalhado um mineiro assim alcunhado). Esta mina terá sido aberta pelo engenheiro de minas alemão Gustav Schoenflick, nos anos 1930, havendo foto da época no Museu do Ferro, com um grupo de mineiros. Aliás, este percurso era feito diariamente a cavalo, pelo referido engenheiro, inicialmente hospedado na Pensão Marrana, em Moncorvo, segundo relato que ouvimos ao nosso amigo Sr. António Carvalho, antigo ferreiro de Felgueiras, recentemente falecido.

Depois da mina do Zé Derreado, subiremos até ao marco geodésico que inspirou o nome literário com que o embaixador Armando Martins Janeira (1914-1988) assinou algumas das suas obras: "Mar Talegre". De facto, a partir daí se vê, em redor, um vasto "mar de montes". 

Sempre pela crista da serra, seguiremos até às "Antenas" (de telecomunicações e da RTM-Rádio Torre de Moncorvo), nas imediações da Fraga do Facho, onde se encontra o obelisco evocativo do ilustre moncorvense Dr. Constâncio de Carvalho (1876-1928), governador civil do distrito de Bragança, e que foi o impulsionador do repovoamento florestal da serra do Roboredo, no 1º. quartel do séc. XX. Um pouco abaixo deste memorial, encontra-se mais uma galeria de antiga mina, que também visitaremos.

Um pouco mais adiante começará a descida, em zigue-zague, até à Casa Florestal, junto à qual fica a Capela de N. Senhora da Conceição (séc. XVII), já vista no percurso de ida, tal como a de S. João Baptista/Senhora de Fátima (séc. XVII-XVIII), ambas da Junta de Freguesia. 

Como a essas horas a fome já deve ser muita, toca a correr para um banho rápido e almoço em local a definir.

No total o percurso tem cerca de 12km e contamos fazê-lo em 4 horas, sendo de dificuldade média.

Há ainda a referir que este percurso, organizado pelo Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, com apoio do PARM, do Município e Junta de Freguesia de Torre de Moncorvo, se insere na Semana dos Parceiros do Roteiro de Minas e Pontos de Interesse Geológico e Mineiro (ver: http://www.roteirodeminas.pt/ ). - Trata-se de uma iniciativa experimental, tendo em vista a exploração de trilhos e percursos de um projecto de Aproveitamento Turístico e Ambiental da Serra do Roboredo, recentemente candidatado a apoios comunitários, por parte do Município de Torre de Moncorvo.

- Recomenda-se: levar calçado apropriado, cantil com água, chapéu, e um bordão de caminheiro. 

- Para mais informações e inscrição, ligar para: 279 252 724.



Txt.: N.Campos

sábado, 22 de Março de 2014

Assembleia Geral ordinária

Informam-se os associados que se realizará no próximo dia 29 de Março a Assembleia Geral ordinária desta associação, com a ordem de trabalhos que se segue:
(Clicar no doc. para AMPLIAR)

quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2014

Inauguração da Exposição "A Cultura da Amendoeira", no Museu do Ferro

(clicar sobre o cartaz para AMPLIAR)

Informamos que será inaugurada no dia 20 de Fevereiro, pelas 21:00h, a exposição "A Cultura da Amêndoa", a qual ficará patente até ao final do mês de Abril, no salão nobre do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo. Trata-se de uma iniciativa conjunta do Município de Torre de Moncorvo e do PARM. 

Apelamos à participação e visita dos nossos associados e amigos, agradecendo desde já a melhor divulgação, durante este período das festividades da Amendoeira em Flor.

quarta-feira, 5 de Fevereiro de 2014

Exposição "Onde o céu é a terra que pisamos"


É no próximo Sábado, dia 8.02.2014, no auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo.

Aqui fica o Convite e Cartaz:



Esta exposição consta de cerca de 14 fotografias a cores, com textos evocativos elaborados a partir do trabalho de campo de Joaquim Pavão (Fotografia) e Isabel Pinto (Texto). 

Se a imagem do cartaz corresponde às estruturas abandonadas da mina de S. Domingos (Mértola), outras paisagens mineiras aí se encontram, nomeadamente a nossa Carvalhosa (Moncorvo). 
Um olhar poético, mas ciente dos perigos e dificuldades da vida dos mineiros, tendo por pano de fundo este património outro, composto de paisagens esventradas, destroços de construções, já que até a sucata foi sendo levada... Nas minas activas, recolheu-se ainda o ruído, a escuridão das galerias, o vozear humano...

Neste plano, as nossas minas estão representadas pela voz de dois antigos mineiros que acompanharam os autores, vai para dois anos, quando empreenderam o seu jornadear pelo Património mineiro abandonado e em laboração. Entre estas, estavam (e estão) as minas de Aljustrel e Panasqueira.
Trailler do documentário: 

Além da exposição, foi produzido um espectáculo intitulado "Minérios" que, infelizmente, não nos foi possível trazer - todavia aqui fica a respectiva informação: 

sexta-feira, 20 de Dezembro de 2013

Boas Festas

(clicar sobre o cartão para AMPLIAR)

O PARM deseja a todos os seus associados e amigos um Santo e Feliz Natal e Próspero ano de 2014.

terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Passeio Micológico procura destacar um velho caminho medieval

.
Teve lugar no passado dia 30/11 mais uma edição do passeio micológico promovido pelo PARM em articulação com o Museu do Ferro & da Região de Moncorvo (CMTM/PARM), sendo a iniciativa coordenada pelo Engº. Afonso Calheiros e Menezes (da direcção do PARM e técnico superior do PNDI).

Como foi explicado aos vários participantes que não tiveram medo à geada que ainda de manhã se encontrava nas bordaduras do caminho, esta acção visava, para além de fomentar o interesse pela Micologia, acentuar a importância do itinerário seguido, um velho caminho medieval que no século XVI era descrito por um viajante que o seguiu, como "uma calçada toda em ferro".
O facto de bordejar o perímetro florestal, a antiga Mata Nacional do Roboredo, permite, igualmente, um contacto mais directo com esta mais-valia que temos ao pé da porta - a Serra - à qual os moncorvenses pouco ligam.  

Assim, passado que foi o modelo de "desenvolvimento" escorado em efémeros balões de oxigénio, consideramos que é tempo de se apostar em grande num modelo de desenvolvimento alternativo, sustentado, dirigido para os tão propalados "recursos endógenos", para o que a Mãe-Natureza põe ao nosso alcance, e dá-los a conhecer a um número cada vez maior de pessoas, quer da região, quer de fora dela.

Tendo em vista a definição de um conjunto de Percursos (articulados com a Ecopista da antiga Linha do Sabor), que em devido tempo daremos a conhecer, aqui ficam algumas imagens da edição de 2013 do Passeio Micológico, não esquecendo que este itinerário também já por nós foi utilizado numa iniciativa de observação de aves.
Engº. Afonso Calheiros explicando as regras do apanhador de cogumelos.

Achado de um Míscaro ("suillus granulatus")

Achado de uma "sancha" ("Lactarius deliciosus")

Mais dois míscaros - como outros cogumelos, costumam aparecer aos pares, ou em "manada"...

Mas há outros motivos de interesse à beira do velho caminho: vestígios da pedreira do Calhoal, um dos sítios de onde terá vindo a pedra para a monumental igreja matriz de Moncorvo.

A beleza da floresta, só por si justificaria o passeio...

Património edificado da 1ª metade do séc. XX: a casa florestal, harmoniosamente enquadrada na paisagem... 


Outro motivo de interesse: a antiga capelinha de N. Sª da Conceição.

Já no Auditório do Museu do Ferro: os participantes procedem à identificação de espécies recolhidas, recorrendo a manuais e ao saber do orientador da acção.

Seriação dos espécimes pelas suas afinidades e características.

Palestra sobre o mundo dos fungos e cogumelos, bem como as suas potencialidades para a economia local.

No final houve uma merenda, confraternização e pequeno magusto.

A organização agradece a todos os participantes, esperando realizar a próxima edição um pouco mais cedo e com mais divulgação.


(Txt. e Fotos: N.Campos)

terça-feira, 26 de Novembro de 2013

Passeio Micológico e workshop - é já no próximo sábado, dia 30 de Novembro!

(clicar sobre o cartaz para o AMPLIAR)

A associação do PARM retoma os passeios micológicos iniciados há poucos anos (ver: http://parm-moncorvo.blogspot.pt/2008/11/1-passeio-micolgico-organizado-pelo.html  e
http://parm-moncorvo.blogspot.pt/2009/11/ii-passeio-micologico-e-workshop-em.html ), tendo em vista chamar a atenção para as potencialidades da serra do Roboredo em termos de biodiversidade, recursos naturais variados, beleza natural e salubridade, numa perspectiva ecológica, em suma.

O "passeio micológico" não é propriamente uma "ida às sanchas", mas sim uma oportunidade para se conhecer o fantástico mundos dos cogumelos, guiados pela mão de quem sabe. Tal como nas edições anteriores, a visita será guiada pelo nosso consócio e membro da Direcção Engº. Afonso Calheiros e Menezes,  técnico superior do Parque Natural do Douro Internacional.

Além do cartaz (em cima), aqui fica o Programa, solicitando a inscrição prévia até ao dia 29/11:

De manhã:

9;30h – Concentração no Museu do Ferro & da Região de Moncorvo – breve explicação da acção e dos seus objectivos, por parte da organização;

9;45h – Saída a pé em direcção à serra do Roboredo, pelo caminho da Casa Florestal (antigo caminho medieval que ia de Torre de Moncorvo para Mós, Freixo de Espada à Cinta, etc.);

Até às 12;00h – observação com colecta selectiva de alguns cogumelos para se classificarem e analisarem na sessão que terá lugar da parte da tarde. 

12;30h – Regresso.

Almoço: por conta dos participantes em locais à escolha.

Equipamento: o participante deverá levar calçado apropriado para andar no campo, impermeável e guarda-chuva, se o tempo a isso obrigar; máquina fotográfica;
2 canivetes (um para cogumelos comestíveis e outro para tóxicos); luvas de plástico ou borracha para recolha de cogumelos venenosos.

Se é já um conhecedor de cogumelos e quiser trazer alguns para consumo próprio, deverá levar um saco especial para este efeito; se quiser recolher outros cogumelos para análise na sessão da tarde, deverão estes ser cuidadosamente apartados dos comestíveis – A colecta a realizar deverá ser feita de acordo com o Código de Conduta do Apanhador de Cogumelos, que será distribuído aos participantes.

Da parte da tarde:

14;30h – Encontro dos participantes no Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, para assistirem à palestra sobre cogumelos, com projecção de uma apresentação PowerPoint, pelo Engº. Afonso Calheiros e Menezes.

Após a palestra, será feita uma seriação e classificação das espécies recolhidas na acção de campo, com orientação do Engº. Afonso e recurso a bibliografia especializada.

Ao final da tarde: Magusto /convívio.

Nota: Pede-se a todos os interessados que se inscrevam até às 17;00 horas do dia 29 de Novembro.                                                                                          

----
Agradecimento: a Organização agradece aos nossos amigos André Cavalheiro e Filipa Esteves, designers gráficos, a oferta do cartaz (com foto cedida por Engº. Afonso Calheiros).