segunda-feira, 20 de outubro de 2008

5ª. Partidela Tradicional da Amêndoa

Informamos todos os interessados que se realizará, no próximo sábado, dia 25 de Outubro, a 5ª Partidela Tradicional de Amêndoa, com início pelas 15;30 horas, no auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo. Este anos contamos com a colaboração e presença da Associação de Amigos do Museu do Douro, sedeada em Peso da Régua, o que dará um alcance mais regional a este evento.



A sessão será animada com música tradicional, a cargo dos nossos amigos da Tuna da Lousa e arredores (sendo a maior parte dos artistas do lado Oeste do concelho de Torre de Moncorvo). Este grupo já actuou na Partidela de 2007, no passeio da Pascoela realizado em Março de 2008 e tem realizado vários concertos no concelho de Torre de Moncorvo e na região do Douro, sempre com enorme sucesso.

No final da actividade, haverá, como é da praxe, uma merenda composta por produtos da terra, tal como se servia dantes, ao final das “partidas” ou “partidelas” da amêndoa. Estes géneros são oferta de produtores e do comércio local, além de algumas pessoas particulares, a quem o Museu agradece o contributo e a boa vontade.



Como já informámos em edições anteriores, a “partição” ou “partida” da amêndoa, consistia na reunião das famílias, vizinhos e amigos, para, ao serão, durante as noites frias de Outono ou Inverno, se “entreterem” a quebrar a casca lenhosa das amêndoas, a fim de venderem o grão, pois assim era mais bem pago pelos negociantes de frutos secos. Era um momento de trabalho, mas também de confraternização e de amena cavaqueira.

Este sistema de entreajuda, um pouco na linha do comunitarismo transmontano, era sobretudo usado pelos pequenos e médios proprietários.

Os grandes proprietários, por seu lado, chamavam gente à geira, normalmente mulheres, para executarem esse trabalho, o qual era pago consoante os alqueires que enchiam, completamente a transbordar. Disso nos dá conta o escritor moncorvense Campos Monteiro (1876-1933) na sua novela “Tragédia de um coração simples, in Ares da Minha Serra (editada por volta de 1932):
“A partição da amêndoa, em casa da Srª D. Clotilde Paredes, começava por alturas das oito horas da noite e terminava infalivelmente às dez e meia (…) E toda a bendita noite, erguendo e descendo o braço, as mulheres despediam pancadas secas, separando as duas valvas da casca lenhosa de onde surgia, como pérola baça em concha de ostra, a semente oblonga e saborosa”.

É preciso recordar que boa parte do concelho de Torre de Moncorvo se situa na chamada Terra Quente Transmontana, com um microclima mediterrânico, onde se dão bem a vinha, a oliveira e a amendoeira. Esta última cultura, que é também responsável pelo cartaz turístico da Amendoeira em Flor, tem conhecido uma certa regressão nas últimas décadas, razão pela qual as “partidas” da amêndoa deixaram de se verificar. Já antes disso, as máquinas britadeiras tinham começado a substituir a mão humana.

No entanto, as memórias persistem, e o Museu do Ferro, querendo recuperar estas tradições e, simultaneamente, desenvolver uma certa “museologia de proximidade”, envolvendo pessoas de todas as idades e de diversas proveniências (habitantes locais e visitantes de outras paragens) volta a reeditar esta actividade, que já é um cartaz habitual, nesta época do ano, sempre com assinalável êxito!

Por motivos logísticos, agradecemos que nos confirme a sua inscrição para o telefone 279252724.


Venha reviver velhos tempos! - Contamos com a sua presença!!

1 comentário:

LOPES disse...

A PEDIDO DE ALGUNS CIBERNAUTAS QUE NOS VISITAM FOI COLOCADA NOVAMENTE NA NOSSA PÁGINA LINK DIRECCIONADO ÚLTIMA HORA.

TENTAREMOS DENTRO DO POSSÍVEL DIVULGAR TAL INICIATIVA.

CUMPRIMENTOS